A pornografia promete satisfação imediata, excitação infinita e fácil intimidade, mas no final, rouba o consumidor dos três. Quanto mais pornografia um indivíduo consome, mais ele ou ela tende a se afastar emocionalmente de pessoas reais e a confiar na pornografia. Eventualmente, torna-se mais difícil ser despertado por uma pessoa real ou formar um relacionamento real, e o isolamento e a solidão resultantes alimentam a necessidade de mais pornografia.

A autora e ativista política Naomi Wolf tem viajado em todo os Estados Unidos, conversando com estudantes universitários sobre relacionamentos. “Quando pergunto sobre a solidão, um silêncio profundo e triste desce sobre o público de homens jovens e mulheres jovens”, diz ela. “Eles sabem que estão sozinhos juntos … e que [a pornografia] é uma grande parte dessa solidão. O que eles não sabem é como sair.” [1]

Mas o que a pornografia tem a ver com a solidão?

“Quanto mais alguém usa a pornografia, mais se torna uma pessoa solitária”, diz o Dr. Gary Brooks, um psicólogo que tem trabalhado com viciados em pornografia nos últimos 30 anos. [2] “Quando [uma pessoa] gasta muito tempo com o ciclo usual de uso da pornografia, não pode deixar de ser um tipo de experiência deprimente, humilhante e auto-ofensiva”. [3] Quanto mais as pessoas sentem-se piores sobre si mesmas, mais elas procuram conforto onde quer que possam obtê-lo. Normalmente, eles seriam capazes de contar com pessoas próximas a elas para os ajudar a atravessar tempos difíceis—um parceiro, amigo ou membro da família. Mas a maioria dos consumidores de pornografia não estão exatamente animados para contar a ninguém sobre seus hábitos pornográficos, muito menos para seus parceiros. Então, eles se viram para a fonte mais fácil de “conforto” disponível: mais pornografia.

“Quando um parceiro usa pornografia com grande frequência”, explica a pesquisadora Dra. Ana Bridges, “pode haver uma tendência em se retirar emocionalmente do relacionamento”. [4] Isso é parcialmente porque o consumo de pornografia faz com que o cérebro reprograme-se para se conectar a excitação sexual com as fantasias da pornografia, [5] (veja Como a pornografia modifica o cérebro) tornando mais difícil para o consumidor se despertar por uma pessoa real em um relacionamento real. [6] (Veja Como a pornografia danifica a vida sexual dos consumidores.)

Segundo Bridges, assim que um consumidor de pornografia se retira de seus relacionamentos, eles experimentam “mais segredo, menos intimidade e também mais depressão”. [7] Estudos descobriram que quando as pessoas se envolvem em um padrão contínuo de “autoencobrimento”—que é quando fazem coisas de que não se orgulham e mantêm segredo—isso não somente machuca seus relacionamentos e deixa-os se sentindo solitários, mas também os torna mais vulneráveis a graves problemas psicológicos. [8] Para ambos os consumidores masculinos e femininos de pornografia, seu hábito é frequentemente acompanhado de problemas de ansiedade, problemas de imagem corporal, autoimagem deficiente, problemas de relacionamento, insegurança e depressão. [9]

Essa pode ser uma razão pela qual consumidores de pornografia lutam tanto em suas relações mais íntimas. Estudos têm consistentemente demonstrado que os consumidores de pornografia tendem a sentir menos amor e confiança em seus casamentos. [10] Eles também experimentam uma comunicação mais negativa com seus parceiros, se sentem menos dedicados ao relacionamento, têm mais dificuldade a fazer ajustes por seu parceiro, desfrutam menos satisfação sexual, e cometem mais infidelidade. [11] Enquanto isso, os cônjuges dos consumidores de pornografia relatam uma menor intimidade nos casamentos e um sentimento de serem menos compreendidos pelos seus parceiros que consomem pornografia. [12] Especialistas em relacionamento, os doutores John e Julie Gottman explicam, “há muitos fatores sobre o uso da pornografia que podem ameaçar a intimidade de um relacionamento, [que] para casais é uma fonte de conexão e comunicação entre duas pessoas. Mas quando uma pessoa se acostuma a se masturbar pela pornografia, eles estão realmente afastando-se da interação íntima”.

Uma segunda razão pela qual consumidores de pornografia lutam com relacionamentos é devido à natureza da pornografia em si. A pornografia retrata homens e mulheres como pouco mais do que corpos com um único propósito, dar e receber prazer sexual. [13] Quer os consumidores pornográficos gostem ou não, essas percepções muitas vezes começam a se deformar sobre como eles veem a si mesmo e a outras pessoas na vida real. [14] Quanto mais difícil for para os usuários verem a si mesmos e aos outros como algo mais do que objetos sexuais, mais difícil é desenvolver e nutrir relacionamentos reais. [15]

“Há uma certa maneira de experimentar a excitação sexual que é o oposto da proximidade”, diz Brooks. “Na melhor das hipóteses, algumas pessoas conseguem gerenciar um pouco, mas na maioria das vezes criam uma barreira que envenena os relacionamentos”. [16] Os Gottman continuam a explicar, “ao assistir a pornografia, o usuário tem o controle total da experiência sexual, em contraste com o sexo normal em que as pessoas compartilham o controle com o parceiro. Assim, um usuário de pornografia pode formar a expectativa irreal de que o sexo estará sob o controle de apenas uma pessoa … o objetivo do relacionamento de conexão íntima é confundido e, finalmente, perdido”.

A pornografia promete satisfação imediata, excitação infinita e facilidade de intimidade, mas no final, rouba do consumidor os três.

O tipo de intimidade que pornografia oferece nada mais é do que excitação sexual. A verdadeira intimidade oferece muito mais. A intimidade real é um mundo de satisfação e emoção que não desaparece quando a tela se apaga. É o risco deslumbrante de ficar vulnerável a outro ser humano. É convidá-los não apenas para o seu quarto, mas para seu coração e vida. A intimidade real é sobre o que compartilhamos, não apenas sobre o que recebemos. É centrado no outro, não em si mesmo. A intimidade é entender alguém em um nível que a pornografia nunca tenta, e ter a experiência transformadora de tê-los ouvindo—realmente ouvir—a você em troca. É ver a si mesmo pelos olhos de outra pessoa, e se preocupar com os outros tanto quanto você se preocupa consigo próprio. É a experiência surpreendente, desconcertante e maravilhosa que artistas e filósofos têm tentado descrever desde que a nossa solitária tribo humana começou.

É o oposto da solidão. É amor.

Citations
[1] Wolf, N. (2003). The Porn Myth. New York Magazine, Oct. 20.
[2] Brooks, G. R., (1995). The centerfold syndrome: How men can overcome objectification and achieve intimacy with women. San Francisco: Bass. Cited in Yoder, V. C., Virden, T. B., & Amin, K. (2005). Internet Pornography and Loneliness: An Association? Sexual Addiction and Compulsivity, 12, 19-44. doi:10.1080/10720160590933653
[3] Interview with Dr. Gary Brooks, Oct. 23, 2013.
[4] Weir, K. (2014, April). Is pornography addictive? Monitor on Psychology. 45(4) 46. Retrieved from http://www.apa.org/monitor/2014/04/pornography.aspx
[5] Love, T., Laier, C., Brand, M., Hatch, L., & Hajela, R. (2015). Neuroscience of Internet Pornography Addiction: A Review and Update, Behavioral Sciences, 5(3), 388-433. doi: 10.3390/bs5030388; Pitchers, K. K., et al. (2013). Natural and Drug Rewards Act on Common Neural Plasticity Mechanisms with DeltaFosB as a Key Mediator. Journal of Neuroscience, 33(8), 3434-3442. doi:10.1523/JNEUROSCI.4881-12.2013; Hilton, D. L. (2013) Pornography addiction—a supranormal stimulus considered in the context of neuroplasticity. Socioaffective Neuroscience and Technology 3. 20767. doi:10.3402/snp.v3i0.20767; Nestler, E. J., (2008) Transcriptional mechanisms of addiction: role of DeltaFosB, Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 363(1507) 3245-3255. doi:10.1098/rstb.2008.0067; Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (208-209) New York: Penguin Books.
[6] Park, B. Y., et al. (2016). Is Internet Pornography Causing Sexual Dysfunctions? A Review with Clinical Reports. Behavioral Sciences, 6, 17. doi:10.3390/bs6030017; Voon, V., et al. (2014). Neural Correlates of Sexual Cue Reactivity in Individuals with and without Compulsive Sexual Behaviors, PLoS ONE, 9(7), e102419. doi:10.1371/journal.pone.0102419; Kalman, T. P., (2008). Clinical Encounters with Internet Pornography, Journal of the American Academy of Psychoanalysis and Dynamic Psychiatry, 36(4), 593-618. doi:10.1521/jaap.2008.36.4.593; Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (104) New York: Penguin Books; Paul, P. (2007). Pornified: How Pornography Is Transforming Our Lives, Our Relationships, and Our Families. New York: Henry Hold and Co., 105.
[7] Weir, K. (2014, April). Is pornography addictive? Monitor on Psychology. 45(4) 46. Retrieved from http://www.apa.org/monitor/2014/04/pornography.aspx
[8] Laird, R. D., Marrero, M. D., Melching, J. A., and Kuhn, E. S. (2013). Information Management Strategies in Early Adolescence: Developmental Change in Use and Transactional Associations with Psychological Adjustment. Developmental Psychology, 49(5), 928–937. doi:10.1037/a0028845; Luoma, J. B., et. al. (2013). Self-Stigma in Substance Abuse: Development of a New Measure. Journal of Psychopathology and Behavioral Assessment, 35, 223–234. doi:10.1007/s10862-012-9323-4; Rotenberg, K. J., Bharathi, C., Davies, H., and Finch, T. (2013). Bulimic Symptoms and the Social Withdrawal Syndrome. Eating Behaviors, 14, 281–284. doi:10.1016/j.eatbeh.2013.05.003; Frijns, T. and Finkenauer, C. (2009). Longitudinal Associations Between Keeping a Secret and Psychosocial Adjustment in Adolescence. International Journal of Behavioral Development, 33(2), 145–154. doi:10.1177/0165025408098020
[9] Flisher, C. (2010). Getting Plugged In: An Overview of Internet Addiction. Journal of Paediatrics and Child Health 46: 557–559. doi:10.1111/j.1440-1754.2010.01879.x; Layden, M. A. (2010). Pornography and Violence: A New look at the Research. In Stoner, J., & Hughes, D. (Eds.) The Social Costs of Pornography: A Collection of Papers (pp. 57–68). Princeton, NJ: Witherspoon Institute; Kafka, M. P. (2000). The Paraphilia-Related Disorders: Nonparaphilic Hypersexuality and Sexual Compulsivity/Addiction. In Leiblum, S. R., & Rosen, R. C. (Eds.) Principles and Practice of Sex Therapy, 3rd Ed. (pp. 471–503). New York: Guilford Press.
[10] Henline, B. H., Lamke, L. K., & Howard, M. D. (2007). Exploring perceptions of online infidelity. Personal Relationships, 14, 113-128. doi:10.1111/j.1475-6811.2006.00144.x; Stack, S., Wasserman, I., & Kern, R. (2004). Adult social bonds and the use of Internet pornography. Social Science Quarterly, 85, 75-88. doi:10.1111/j.0038-4941.2004.08501006.x; Schneider, J. P. (2000). Effects of cybersex addiction on the family: Results of a survey. Sexual Addiction and Compulsivity, 7, 31-58. doi:10.1080/10720160008400206
[11] Maddox, A. M., Rhoades, G. K., & Markman, H. J. (2011). Viewing Sexually-Explicit Materials Alone or Together: Associations with Relationship Quality. Archives of Sexual Behavior, 40(2), 441-448. doi:10.1007/s10508-009-9585-4
[12] Bergner, R., & Bridges, A. (2002). The significance of heavy pornography involvement for romantic partners: Research and clinical implications. Journal of Sex and Marital Therapy, 28, 193-206. doi:10.1080/009262302760328235
[13] Paul, P. (2007). Pornified: How Pornography Is Transforming Our Lives, Our Relationships, and Our Families. New York: Henry Hold and Co., 80; Mosher, D. L., & MacIan, P. (1994). College Men and Women Respond to X-Rated Videos Intended for Male or Female Audiences: Gender and Sexual Scripts. Journal of Sex Research 31, 2: 99–112. doi:10.1080/00224499409551736
[14] Interview with Dr. Gary Brooks, Oct. 23, 2013. Peter, J. & Valkenburg, P. M., (2016) Adolescents and Pornography: A Review of 20 Years of Research. Journal of Sex Research, 53(4-5), 509-531. doi:10.1080/00224499.2016.1143441; Rothman, E. F., Kaczmarsky, C., Burke, N., Jansen, E., & Baughman, A. (2015). “Without Porn…I Wouldn’t Know Half the Things I Know Now”: A Qualitative Study of Pornography Use Among a Sample of Urban, Low-Income, Black and Hispanic Youth. Journal of Sex Research, 52(7), 736-746. Doi:10.1080/00224499.2014.960908
[15] Paul, P. (2007). Pornified: How Pornography Is Transforming Our Lives, Our Relationships, and Our Families. New York: Henry Hold and Co., 79; Lyons, J. S., Anderson, R. L., & Larsen, D. (1993). A Systematic Review of the Effects of Aggressive and Nonaggressive Pornography. In Zillmann, D., Bryant, J. & Huston, A. C. (Eds.) Media, Children and the Family: Social Scientific, Psychodynamic, and Clinical Perspectives (p. 305). Hillsdale, N.J.: Erlbaum Associates.
[16] Interview with Dr. Gary Brooks, Oct. 23, 2013.

Send this to a friend