Oconsumo repetido de pornografia faz com que o cérebro literalmente se reajuste. Isso estimula o cérebro a bombear substâncias químicas e formar novas vias nervosas, levando a mudanças profundas e duradouras no cérebro.

Acredite ou não, estudos mostram que aqueles que consomem pornografia com mais frequência têm cérebros menos conectados, menos ativos e ainda menores em algumas áreas. [1]

Para sermos justos, os estudos mostram apenas que existe uma correlação entre o consumo de pornografia e os cérebros menores e menos ativos, mas levantam a questão: a pornografia pode literalmente mudar o seu cérebro?

Os cientistas costumavam acreditar que, uma vez que você termina a infância, seu cérebro perde a capacidade de crescer. [2] Eles pensavam que nada exceto doença ou lesão poderia alterar fisicamente um cérebro adulto. Agora, sabemos que o cérebro continua mudando ao longo da vida, [3] constantemente refazendo-se e estabelecendo novas conexões nervosas, e isso é particularmente verdadeiro em nossa juventude. [4]

Veja, o cérebro é composto por cerca de 100 bilhões de nervos especiais chamados de neurônios [5], que carregam sinais elétricos de um lado para o outro entre partes do cérebro e para o resto do corpo. Imagine que você está aprendendo a tocar um acorde E no violão: seu cérebro envia um sinal à sua mão dizendo o que fazer. À medida que esse sinal corre de um neurônio para outro, essas células nervosas ativadas começam a formar conexões porque “neurônio s que disparam juntos, alinham-se”. Esses neurônios recém-conectados formam o que é chamado de “caminho neuronal”. [6]

Pense em um caminho neuronal como uma trilha na floresta. Toda vez que alguém usa a trilha, ela fica um pouco mais ampla e mais permanente. Da mesma forma, toda vez que uma mensagem viaja por um caminho neuronal, o caminho fica mais forte. [7] Com repetições suficientes, o seu caminho neuronal ficará tão forte que você estará tocando aquele acorde sem mesmo pensar nisso. Esse processo de construção de caminhos neuronais melhores e mais rápidos é como aprendemos novas habilidades, seja memorizando fórmulas de matemática ou dirigindo um carro. A prática leva à perfeição.

Mas há um senão. Seu cérebro é um órgão com muita fome. Pode pesar apenas 2% do seu peso corporal, mas ele consome 20% de sua energia e oxigênio [8], de modo que os recursos são escassos na sua cabeça. Há uma concorrência bastante feroz entre os caminhos do cérebro, e aqueles que não são usados o suficiente provavelmente serão substituídos. [9] Use-o ou perca-o, como eles dizem. Só os fortes sobrevivem.

É aí que a pornografia entra.

A pornografia é fantástica ao formar caminhos novos e duradouros no cérebro. Na verdade, a pornografia é uma concorrente tão feroz que quase nenhuma outra atividade pode competir com ela, inclusive o sexo real com um parceiro real. [10] Certo, a pornografia pode realmente dominar a habilidade natural do cérebro de ter sexo real! Por que? Como o Dr. Norman Doidge, pesquisador da Universidade de Columbia, explica, a pornografia cria as condições perfeitas e desencadeia a liberação das substâncias químicas certos para fazer mudanças duradouras no cérebro. [11]

Condições

As condições ideais para formar caminhos neuronais fortes ocorrem quando você está no que os cientistas chamam de “fluxo”. O fluxo é “um estado profundamente satisfatório de atenção focada”. [12] Quando você está no fluxo, você fica tão mergulhado no que está fazendo que nada mais parece importar. [13] Você provavelmente já experimentou antes, jogando um jogo ou conversando com amigos ou lendo um ótimo livro. Você estava tão focado no que estava fazendo que perdeu a noção do tempo e tudo ao seu redor desapareceu. Você queria que continuasse para sempre. Isso é o fluxo.
Quando você está no fluxo, é como se você tivesse habilidades super-humanas. Os atletas chamam de “na zona”, quando você parece fazer tudo certo. Seu foco é intenso. Sua memória é fenomenal. Anos depois, você ainda lembrará as palavras exatas da conversa ou os detalhes do que você leu.

Agora imagine alguém sentado na frente do computador às 3 da manhã, olhando pornografia. Essa pessoa está tão absorvida em seu transe pornográfico que nada mais pode competir pela atenção do consumidor, nem mesmo o sono. Esta pessoa está na condição ideal para formar caminhos neuronais, e é isso o que está acontecendo. Clicando de página em página em busca da imagem perfeita, sem perceber que toda imagem vista está reforçando os caminhos que o consumidor está forjando em seu cérebro. Clicando de página na página em busca da imagem perfeita, sem perceber que toda a imagem está a ser reforçada com os caminhos que estão no seu cérebro.

Substâncias químicas

Como outras substâncias e comportamentos viciantes, a pornografia ativa a parte do cérebro chamada centro de recompensa, [14] desencadeando a liberação de um coquetel de substâncias químicas que lhe proporcionam uma excitação temporária. [15] (Veja Como a pornografia afeta o cérebro como uma droga.) Uma das substâncias químicas desse cocktail é uma proteína chamada DeltaFosB. [16]

Lembra-se quando dissemos que construir caminhos neuronais é como fazer uma trilha na floresta? Bem, a DeltaFosB é como uma tropa de montanhistas lá fora, com picaretas e pás, trabalhando como castores para preparar a trilha. Com a DeltaFosB circulando, o cérebro está preparado para fazer conexões mentais fortes entre a pornografia sendo consumida pelos indivíduos e o prazer que eles sentem ao consumi-la. [17] Basicamente, a DeltaFosB está dizendo: “Isso é bom. Vamos nos lembrar disso para que possamos fazê-lo novamente.”

A DeltaFosB é importante para aprender qualquer tipo de novas habilidades, mas também pode levar a comportamentos viciantes/compulsivos [18], especialmente em adolescentes. [19] A DeltaFosB é referida como “a chave molecular para o vício”, [20], porque se ela aumenta o suficiente no cérebro, ela alterna genes que criam ânsia a longo prazo, levando o usuário de volta para mais. [21] E uma vez que foi liberada, a DeltaFosB fica no cérebro por semanas ou meses, e é por isso que os consumidores de pornografia podem sentir forte ânsia por pornografia depois que eles interrompem o hábito. [22]

A boa notícia é que a neuroplasticidade funciona em ambos os sentidos. Se os caminhos da pornografia não forem reforçados, eles acabarão por desaparecer, então os mesmos mecanismos cerebrais que estabelecem caminhos para a pornografia podem substituí-los por outra coisa. [23] Se chegou a hora de você ou de alguém que você adora começar esse processo de cura, aprenda mais sobre como obter ajuda.

Citations
[1] Love, T., Laier, C., Brand, M., Hatch, L., & Hajela, R. (2015). Neuroscience of Internet Pornography Addiction: A Review and Update, Behavioral Sciences, 5(3), 388-433. doi: 10.3390/bs5030388; Kuhn, S., & Gallinat, J. (2014). Brain structure and functional connectivity associated with pornography consumption: the brain on porn. JAMA Psychiatry, 71(7), 827-834. doi:10.1001/jamapsychiatry.2014.93; Love, T., Laier, C., Brand, M., Hatch, L., & Hajela, R. (2015). Neuroscience of Internet Pornography Addiction: A Review and Update, Behavioral Sciences, 5(3), 388-433. doi: 10.3390/bs5030388; Wehrum-Osinski, S., Klucken, T, & Rudolf, S. (2015) OR-95: Neuronal and subjective responses in patients with excessive pornography consumption, Journal of Behavioral Addictions, 4(S1), 42; Arnow, B. A., et al. (2002). Brain activation and sexual arousal in healthy, heterosexual males. Brain, 125, 1014-1023. doi:10.1093/brain/awf108. See also Kuss, D., & Griffiths, M. D. (2012). Internet and Gaming Addiction: A Systematic Literature Review of Neuroimaging Studies, Brain Science, 2(3) 347-374. doi:10.3390/brainsci2030347 (discussing brain atrophy among persons addicted to Internet use.)
[2] Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (xiiv-xiv) New York: Penguin Books; Kolb, B., Gibb, R., & Robinson, T.E. (2003). Brain Plasticity and Behavior, Current Directions in Psychological Science, 12(1) 1-5.
[3] Pace, S. (2014). Acquiring Tastes through Online Activity: Neuroplasticity and the Flow Experiences of Web Users. M/C Journal, 17(1). Retrieved from http://journal.media-culture.org.au/index.php/mcjournal/article/view/773
[4] Kercel, S.W., (2005). Editorial: The Wide-Ranging Impact of the Work of Paul Back-y-Rita, Journal of Integrative Neuroscience, 4(4) 403-406; Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (xv) New York: Penguin Books.
[5] Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (50) New York: Penguin Books.
[6] Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (9) New York: Penguin Books.
[7] Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (242-243) New York: Penguin Books.
[8] Du, F., et al. (2008). Tightly coupled brain activity and cerebral ATP metabolic rate. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 105(17) 6409-6414. doi:10.1073/pnas.0710766105, See also Spence, C., Okajima, K., Cheok, A. D., Petit, O., & Michel, C. (2016). Eating with our eyes: From visual hunger to digital satiation, Brain and Cognition, 110, 53-63. doi:10.1016/j.bandc.2015.08.006 (asserting that the brain consumes “somewhere in the region of 25% of blood flow, or rather, 25% of the available consumed energy.”)
[9] Pace, S. (2014). Acquiring Tastes through Online Activity: Neuroplasticity and the Flow Experiences of Web Users. M/C Journal, 17(1). Retrieved from http://journal.media-culture.org.au/index.php/mcjournal/article/view/773; Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (59-60) New York: Penguin Books.
[10] Park, B. Y., et al. (2016). Is Internet Pornography Causing Sexual Dysfunctions? A Review with Clinical Reports. Behavioral Sciences, 6, 17. doi:10.3390/bs6030017; Volkow, N. D., Koob, G. F., & McLellan, A. T. (2016). Neurobiological Advances from the Brain Disease Model of Addiction. New England Journal of Medicine, 374, 363-371. doi:10.1056/NEJMra1511480; Love, T., Laier, C., Brand, M., Hatch, L., & Hajela, R. (2015). Neuroscience of Internet Pornography Addiction: A Review and Update, Behavioral Sciences, 5(3), 388-433. doi: 10.3390/bs5030388; Voon, V., et al. (2014). Neural Correlates of Sexual Cue Reactivity in Individuals with and without Compulsive Sexual Behaviors, PLoS ONE, 9(7), e102419. doi:10.1371/journal.pone.0102419; Hilton, D. L. (2013) Pornography addiction—a supranormal stimulus considered in the context of neuroplasticity. Socioaffective Neuroscience and Technology 3. 20767. doi:10.3402/snp.v3i0.20767; Wang, Y., Ghezzi, A., Yin, J. C. P., & Atkinson, N. S. (2009). CREB regulation of BK channel gene expression underlies rapid drug tolerance. Gene Brains Behavior, 8(4) 369-376. doi:10.1111/j.1601-183X.2009.00479.x; Angres, D. H. & Bettinardi-Angres, K. (2008). The Disease of Addiction: Origins, Treatment, and Recovery. Disease-a-Month 54: 696–721.
[11] Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (104) New York: Penguin Books. ; [11]Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (102) New York: Penguin Books.
[12] Pace, S. (2014). Acquiring Tastes through Online Activity: Neuroplasticity and the Flow Experiences of Web Users. M/C Journal, 17(1). Retrieved from http://journal.media-culture.org.au/index.php/mcjournal/article/view/773
[13] Pace, S. (2014). Acquiring Tastes through Online Activity: Neuroplasticity and the Flow Experiences of Web Users. M/C Journal, 17(1). Retrieved from http://journal.media-culture.org.au/index.php/mcjournal/article/view/773; Csikszentmihalyi, M. (1990). Flow: The Psychology of Optimal Experience. New York, HarperPerrennial.
[14] Negash, S., Van Ness Sheppard, N., Lambert, N. M., & Fincham, F. D. (2016). Trading Later Rewards for Current Pleasure: Pornography Consumption and Delay Discounting. The Journal of Sex Research, 53(6), 698-700. doi:10.1080/00224499.2015.1025123; Voon, V., et al. (2014). Neural Correlates of Sexual Cue Reactivity in Individuals with and without Compulsive Sexual Behaviors, PLoS ONE, 9(7), e102419. doi:10.1371/journal.pone.0102419; Pitchers, K. K., et al. (2013). Natural and Drug Rewards Act on Common Neural Plasticity Mechanisms with DeltaFosB as a Key Mediator. Journal of Neuroscience, 33(8), 3434-3442. doi:10.1523/JNEUROSCI.4881-12.2013
[15] Volkow, N. D., Koob, G. F., & McLellan, A. T. (2016). Neurobiological Advances from the Brain Disease Model of Addiction. New England Journal of Medicine, 374, 363-371. doi:10.1056/NEJMra1511480; Pace, S. (2014). Acquiring Tastes through Online Activity: Neuroplasticity and the Flow Experiences of Web Users. M/C Journal, 17(1). Retrieved from http://journal.media-culture.org.au/index.php/mcjournal/article/view/773
[16] Pitchers, K. K., et al. (2013). Natural and Drug Rewards Act on Common Neural Plasticity Mechanisms with DeltaFosB as a Key Mediator. Journal of Neuroscience, 33(8), 3434-3442. doi:10.1523/JNEUROSCI.4881-12.2013; Nestler, E. J., (2008) Transcriptional mechanisms of addiction: role of DeltaFosB, Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 363(1507) 3245-3255. doi:10.1098/rstb.2008.0067
[17] Pitchers, K. K., et al. (2013). Natural and Drug Rewards Act on Common Neural Plasticity Mechanisms with DeltaFosB as a Key Mediator. Journal of Neuroscience, 33(8), 3434-3442. doi:10.1523/JNEUROSCI.4881-12.2013; Hilton, D. L. (2013) Pornography addiction—a supranormal stimulus considered in the context of neuroplasticity. Socioaffective Neuroscience and Technology 3. 20767. doi:10.3402/snp.v3i0.20767; Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (208-209) New York: Penguin Books.
[18] Love, T., Laier, C., Brand, M., Hatch, L., & Hajela, R. (2015). Neuroscience of Internet Pornography Addiction: A Review and Update, Behavioral Sciences, 5(3), 388-433. doi: 10.3390/bs5030388; Hilton, D.L, & Watts, C. (2011). Pornography addiction: A neuroscience perspective, Surgical Neurology International 2, 19. doi:10.4103/2152-7806.76977; Nestler, E. J., (2008) Transcriptional mechanisms of addiction: role of DeltaFosB, Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 363(1507) 3245-3255. doi:10.1098/rstb.2008.0067
[19] Volkow, N. D., Koob, G. F., & McLellan, A. T. (2016). Neurobiological Advances from the Brain Disease Model of Addiction. New England Journal of Medicine, 374, 363-371. doi:10.1056/NEJMra1511480; Park, B. Y., et al. (2016). Is internet Pornography Causing Sexual Dysunction? A Review with Clinical Reports, Behavioral Sciences, 6, 17. doi:10.3390/bs6030017; Negash, S., Van Ness Sheppard, N., Lambert, N. M., & Fincham, F. D. (2016). Trading Later Rewards for Current Pleasure: Pornography Consumption and Delay Discounting. The Journal of Sex Research, 53(6), 698-700. doi:10.1080/00224499.2015.1025123; Brom, M., Both, S., Laan, E., Everaerd, W., & Spinhoven, P. (2014). The role of conditioning, learning, and dopamine in sexual behavior: A narrative review of animal and human studies. Neuroscience & Biobehavioral Reviews, 38(1). doi: 10.1016/j.neubiorev.2013.10.014; Bridges, A. J., & Anton, C. (2013). Pornography and violence against women. In Sigal, J. A. & Denmark, F. L. (Eds.), Violence Against Girls and Women: International Perspectives (pp 183-206.). Santa Barbara, California: Preager.
[20] Love, T., Laier, C., Brand, M., Hatch, L., & Hajela, R. (2015). Neuroscience of Internet Pornography Addiction: A Review and Update, Behavioral Sciences, 5(3), 388-433. doi: 10.3390/bs5030388
[21] Volkow, N. D., & Morales, M. (2015). The Brain on Drugs: From Reward to Addiction. Cell, 162 (8), 713. doi:10.1016/j.cell.2015.07.046; Nestler, E. J. (2012). Transcriptional Mechanisms of Drug Addiction. Clinical Psychopharmacology and Neuroscience 10(3) 136-143. doi:1-.9758/cpn.2012.10.3.136; Hyman, S. E. (2005). Addiction: a disease of learning and memory. American Journal of Psychiatry, 162(8), 1414-1422.
[22] Negash, S., Van Ness Sheppard, N., Lambert, N. M., & Fincham, F. D. (2016). Trading Later Rewards for Current Pleasure: Pornography Consumption and Delay Discounting. The Journal of Sex Research, 53(6), 698-700. doi:10.1080/00224499.2015.1025123; Hilton, D. L., & Watts, C. (2011). Commentary on: Neuroscience research fails to support claims that excessive pornography consumption causes brain damage, Surgical Neurological International, 2, 64. doi:10.4103/2152-7806.81427; Nestler, E. J., (2008) Transcriptional mechanisms of addiction: role of DeltaFosB, Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 363(1507) 3245-3255. doi:10.1098/rstb.2008.0067
[23] Doidge, N. (2007). The Brain That Changes Itself. (208-212) New York: Penguin Books.

Send this to a friend